sexta-feira, 11 de maio de 2007

Tatarana

Jorge, os meus parabéns pelo tetra do Tatarana, Blog do nosso convívio obrigatório. Creio até que espaço siamês ao Albatrozberdiano, no que toca à liberdade existencial da escrita. A Margarida Fontes, de Os Momentos tem razão: o Tatarana tem um sabor crioulo que nos encanta. Explico: de um lado, insularidade; doutro, humanidade. O estar entre a ilha e o cosmo é uma ambivalência existencial (por vezes, conflitual até), que confere singularidade a bem poucos intelectuais. Estará para breve o lançamento da nova revista, que desejamos com novas preocupações e angustias, apartada da pasmaceira local e temporal. O recado também vai para a Chissana, aka, Kamia do Sopafla. O texto, que mandou em tempo útil, continua aggiornato. Eu também sou um Blogueiro bissexto. Só escrevo quando a fome da escrita pedir. Mas as minhas dependências são mais freudianas do que vícios do café e do cigarro. Qualquer dia, me assumo louco de serviço e dou a ganhar aos nossos psicólogos de esquina. O meu falar (e falo grande e disperso) se resume a esta nota. Por ora, sou fã do Tatarana. Parabéns…

1 comentário:

M.J.M. disse...

Obrigado, Filinto. Ser considerado crioulo não é, para mim, pouca coisa.
Boa viagem até Paris.
Grande abraço
Jorge